Ultimo minuto

SOLDADO PM E PRESO PELO COMANDANTE E AÇÃO REVOLTA POPULAÇÃO DO MS

Gravação que denuncia um possível abuso de autoridade por parte de um capitão da Polícia Militar e a prisão de um policial, lotado 2ª Companhia de Bataguassu irrita a população do Mato Grosso do Sul.

Tudo teria iniciado na manhã da última sexta-feira (21) quando o militar – soldado Sandro – teria recebido voz de prisão pelo próprio comandante, o Capitão José Roberto de Souza, quando participava de uma reunião que discutia uma denúncia feita por uma moradora daquela cidade em que questionava o não atendimento da PM a seu filho, um dependente de álcool que teria que ser preso e ser levado para uma clínica para tratamento.

A atitude do comandante em prender seu próprio policial revoltou os militares de sua corporação e grande parte da população que juntos, fizeram uma “vaquinha” para pagar um advogado e libertar Sandro que continua preso.

MEDO E INSATISFAÇÃO E ENTREVISTAS

Policiais Militares lotados na 2ª Companhia de Bataguassu do MS denunciam abusos e arbitrariedades e que estariam sofrendo perseguições por parte do atual comandante o Capitão José Roberto de Souza, que já é chamado por eles – policiais – de comando do “J. Cadeia”. O capitão José Roberto de Souza ate o momento não foi encontrado para falar sobre o caso e segundo os policiais daquela companhia, o capitão estaria em Nova Andradina-MS, onde reside. Alguns policiais falaram informalmente com a imprensas, mas não quiseram gravar entrevistas por temer futura represália por parte do comando.

“Grande parte da tropa está insatisfeitas e temerosas com este comando que quer ser radical demais. Estamos com medo de trabalhar nas ruas e estamos temendo por nossa própria segurança aqui dentro do nosso ambiente de trabalho. Ninguem pode falar nada dele – comandante – que pratica o acúmulo de função por ser comandante e coordenador do curso de formação de soldado”, desabafou um policial.

A PRISÃO

Após ser preso e autuado em flagrante por desacato a superior, o Soldado foi removido para a sede do 8º BPM em Nova Andradina – MS, onde a 2ª Companhia e subordinada e permanecerá detido disciplinarmente por 72 (setenta e duas) horas. Os colegas informaram à reportagem que o PM foi preso por “capricho” do comandante, quando deixava o plantão.

A GRAVAÇÃO

A gravação que chegou aos meios de comunicação comprova que o soldado recebeu voz de prisão e posteriormente fosse desarmado e algemado pelos colegas. O áudio indica que o comandante acreditou que o policial estava rindo durante sua fala, situação essa negado pelo Soldado. Consta no áudio também que o comandante ameaçou transferir alguns policiais, como também ameaçando puni-los, dizendo inclusive que de agora em diante a tolerância para a tropa e zero. Soldado Sandro está na Policia Militar há 06 (seis) anos e em sua ficha disciplinar não consta nenhuma punição, apenas elogios. Os colegas afirmaram que o militar é um ótimo policial, cumpridor dos seus deveres. Os amigos de serviço também disseram que Sandro tem essas características de ser alegre e sempre sorrindo ainda que sem motivos aparente.

ARBITRARIEDADE

Os militares também denunciam a reportagem que quando acontece qualquer reclamação no quartel, a equipe reclamada tem que cumprir escala extra, prejudicando desta forma a folga dos policiais que trabalham em uma escala de 24 horas de trabalho por 48 horas de folga. Segundo eles, quem não acatar o chamado do comando para dar explicações, o capitão “manda” buscar o militar e o mantém preso. Outra arbitrariedade denunciada pelos policiais é que naquele quartel nenhum PM pode ficar doente, caso algum militar apresente atestado médico, ele deve cumprir o atestado nas instalações do quartel cerceando o direito de ir e vir do militar. “Neste comando nos não temos respaldo nenhum para trabalhar, se a gente aborda um delinquente ou um suspeito, ele vem aqui e faz sua reclamação somos punido cumprindo escala extra, ou seja, nenhum infrator vai chegar aqui e agradecer que foi abordado ou preso pela policia, antes mesmos de ser apurado o fato, já cumprimos uma punição, já perdemos a nossa folga e a nossa família fica a mercê da sorte…” Outro também falou e mostrou total indignação contra o capitão. “Nos últimos 02 (dois) anos não tivemos nenhum policial punido neste quartel por conduta irregular, prova disso é que recentemente um Policial que serve aqui ganhou uma indenização porque foi denunciado caluniosamente. Todas as denúncias são rigorosamente apuradas tanto no âmbito da Policia Militar como na Justiça comum, e todas foram arquivadas por falta de provas. Isso indica no mínimo que não houve irregularidade da nossa parte…”

RETROSPECTO DO ATUAL COMANDO

Segundo ainda os policiais, o Capitão J. Roberto assumiu o comando da 2ª Companhia em Outubro de 2013 e de acordo com as estatísticas da criminalidade, neste intervalo o crime na região aumentou, seja nas ocorrências mais corriqueiras como também nas de vulto. Os policiais afirmaram também que Bataguassu – durante uma conferência Estadual – já foi citado como exemplo na queda do índice de criminalidade que ocorreu no comando anterior.

ANTIGO COMANDO

Um militar também disse que se orgulhava do antigo comandante da Polícia Militar daquela cidade. “No comando anterior quando era o Tenente Françoso, nos tínhamos alegria em trabalhar, ele sempre respeitou a tropa, amanhecia com a gente na rua combatendo ilícitos, toda semana derrubava uma ‘boca de fumo’ diminuindo em até 90% o trafico de drogas dentro da cidade, na verdade nunca houve nessa cidade tanta apreensão de drogas e recuperação de veículos roubados/furtado como no comando anterior, e agora tem anos que não se vê essas coisas aqui na cidade, as equipes foram dissolvidos, uns estão cumprindo escalas no presídio, outros na sala de rádios para atendimentos de ocorrências e os demais foram distribuídos em outras funções. Hoje as “boca de fumos” estão crescendo de forma geométricas e a gente fica com as mãos atados, se fizermos qualquer coisa diferente do que ele quer, seremos punidos e até transferido e isso ninguém quer…”

Comentarios

Más popular

Arriba